Pomba Mundo
 
O Desafio do Progresso na Escola da Alma
 
 
Cecília Meireles
 
 
Cecília ___Hoje Desaprendo o Que Tinha Aprendido.png com mold

 

 
Cecília Meireles (1901-1964)
 
 
000000000000000000000000000000000000
 
Nota Editorial:
 
Cecília Meireles estudou filosofias
orientais. A consciência teosófica tem
presença central em seus poemas. Nos
versos a seguir, ela examina em poucas
palavras o mistério do aprendizado espiritual.
Cecília mostra que a verdadeira escola de filosofia
é interna: cada estudante é a escola, ele mesmo, e
o processo do aprender recomeça a cada instante. 
 
(Carlos Cardoso Aveline)
 
0000000000000000000000000000000000000000000000
 
 
 
Hoje desaprendo o que tinha aprendido até ontem
e que amanhã recomeçarei a aprender.
Todos os dias desfaleço e desfaço-me em cinza efêmera:
todos os dias reconstruo minhas edificações, em sonho eternas.
 
Esta frágil escola que somos, levanto-a com paciência
dos alicerces às torres, sabendo que é trabalho sem termo.
 
E do alto avisto os que folgam e assaltam, donos de riso e pedras.
Cada um de nós tem sua verdade, pela qual deve morrer.
 
De um lugar que não se alcança, e que é, no entanto, claro,
minha verdade, sem troca, sem equivalência nem desengano
 
permanece constante, obrigatória, livre:
enquanto aprendo, desaprendo e torno a reaprender.
 
(1961)
 
000
 
O poema acima é reproduzido do volume II de “Poesia Completa”, de Cecília Meireles, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 2001, 1993 pp., ver pp. 1442-1443. Título original: “Hoje desaprendo o que tinha aprendido até ontem”.
 
000
 
Sobre o mistério do despertar individual para a sabedoria do universo, leia a edição luso-brasileira de “Luz no Caminho”, de M. C.
 
_Luz_no_Caminho_Capa_1024x1024
 
Com tradução, prólogo e notas de Carlos Cardoso Aveline, a obra tem sete capítulos, 85 páginas, e foi publicada em 2014 por “The Aquarian Theosophist”.
 
000