Há no Fundo das Almas uma Fonte Cantante
 
 
Aleixo Alves de Souza
 
 
 
 
 
Há no fundo das almas, bem no fundo,
Uma fonte cantante que se esconde
Num recesso sagrado e puro, aonde
Não entra olhar profano ou voz do mundo.
 
Bem poucos sabem desse vale profundo
Onde só o eco da alma nos responde;
E a árvore da paz, espalma a fronde
Dando frescura e fé ao moribundo.
 
Essa fonte, um tesouro, um manancial
Feito de estrelas, de arrebóis, de luar,
Cascatas de ouro e límpido cristal,
 
Ora mana alegria, ora pesar…
– E é o fio da torrente universal
Que arrasta a vida humana ao Grande Mar.
 
 
000
 
Aleixo Alves de Souza foi presidente da Sociedade Teosófica (de Adyar) no Brasil.
 
O poema “Manancial de Vida” é reproduzido do livro “Écos do Meu Silencio”, de Aleixo Alves de Souza, Rio de Janeiro, 1937, 95 pp., p. 66.  Não há indicação de editora, nem da gráfica em que o livro foi impresso. A ortografia foi atualizada.
 
000
 
Em 14 de setembro de 2016, depois de uma análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu criar a Loja Independente de Teosofistas. Duas das prioridades da LIT são tirar lições práticas do passado e construir um futuro saudável
 
000
 
O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 
 
 
Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:
 
 
000