Quando Nasces, Tenho a
Madeira Para o Teu Berço
 
 
Da Tradição Popular
 
 
 
 
 
000000000000000000000000000000000000
 
Nota Editorial:
 
Tradicional em Portugal, a oração a seguir é
bem conhecida em muitos países.  A sua versão
mais popular foi escrita em 1914 por Veiga Simões.
 
(Carlos Cardoso Aveline)
 
00000000000000000000000000000000000000000000
 
 
 
Tu que passas e levantas contra mim teu braço, antes de fazer-me mal, olha bem.
 
Eu sou o calor do teu lar nas noites frias de inverno. Eu sou a viga que suporta o teto de tua casa, a tábua de tua mesa, a cama em que descansas.
 
Sou o cabo de tuas ferramentas, a porta de tua casa.
 
Quando nasces, tenho a madeira para o teu berço; quando morres, em forma de ataúde ainda te acompanho para o seio da terra. Sou o pão da bondade e a flor de beleza. Se me amas como mereço, defende-me contra os insensatos.
 
000
 
A oração acima foi publicada na edição de setembro de 2016 de “O Teosofista”, p. 12.
 
000
 
O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 
 
 
Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:
 
 
000