Onde Está o Teu Tesouro, Ali Está o Teu Coração
 
 
Carlos Cardoso Aveline
 
 
 
 
 
Indivíduos diferentes valorizam coisas diferentes, é claro.
 
Ainda quando veem valor nas mesmas coisas, na maior parte das vezes eles atribuem tipos diferentes de valor àquilo que apreciam em comum.
 
Por que motivo uma floresta tem grande valor para você: é por causa do preço da madeira? Talvez você valorize as árvores por outras potencialidades econômicas, mais corretas desde o ponto de vista ecológico.
 
Será que a floresta é valiosa para você porque ela desempenha papel central na preservação da vida tal como a conhecemos nesta civilização?
 
Ou talvez a floresta possua valor em si mesma, independentemente dos muitos usos práticos que ela tenha para a humanidade e demais espécies de seres vivos? Sabemos também que todos os níveis de valor de um objeto coexistem: é preciso saber a ênfase e o peso relativo de cada nível de apreciação.
 
Além do valor real de uma floresta, outros exemplos são possíveis e merecem ser examinados. As várias formas de valor são vistas desde diversos níveis de consciência. A importância física de algo pode ser muito diferente da sua importância emocional, ou mental, ou espiritual.  
 
A profundidade do respeito que temos pelos outros seres depende do ponto de vista desde o qual a vida está sendo olhada. Você mede o seu próprio valor pelo número de aparentes amigos que você tem, ou pela firmeza da aprovação que você recebe da sua própria alma e da sua consciência?
 
A sua autoestima depende do poder de compra do seu cartão de crédito, e da quantidade de aplauso e elogios que você recebe todo mês? Há maneiras mais inteligentes de viver.
 
A ciência da ética fala de dois grandes níveis de valor.
 
No nível instrumental ou utilitário, a sua vida é importante porque você ajuda pessoas, é útil para a sociedade e faz bem ao seu país.
 
Sua esposa o faz feliz de várias maneiras; ela é extremamente valiosa. Seus filhos são parte da sua felicidade. Seus amigos, seus colegas, sua nação e mil outros fatores da vida contribuem para o seu contentamento; portanto são valiosos para você. E também o calor dos raios de Sol no inverno, a beleza de um pássaro que voa e a sombra de uma árvore no verão.
 
Neste nível do ser, o valor é instrumental.  Se você for incapaz de ir além desta dimensão do valor, estará ainda fundamentalmente cego e surdo para a beleza da vida.
 
A sua esposa tem um valor intrínseco: a importância dela não pode ser medida pela quantidade de contentamento que ela faz você experimentar.
 
O mesmo se aplica aos filhos e à nação. 
 
É pouco inteligente ter respeito pelas outras pessoas apenas na medida em que elas concordam com você. A função dos  outros seres na sua existência não é fazer as suas vontades todas. Através deles, a Vida ensina a você várias maneiras de melhorar a si próprio.
 
Quando vemos o valor intrínseco de uma floresta, de uma nação, da amizade ou da capacidade de ser humilde, reconhecemos as dimensões elevadas e nobres do valor instrumental.
 
As duas coisas são inseparáveis.
 
É um privilégio ser útil ao crescimento interior dos outros.  Nossos deveres são tanto materiais como espirituais. Há uma bênção em ter profundo respeito pelos nossos cocidadãos, e pelas florestas, pelos habitantes das florestas e por todos os seres.
 
Neste processo, nos tornamos irmãos conscientes Daqueles que estão muito mais adiantados que a nossa humanidade e no entanto mantêm um contato sutil com os seres humanos, para garantir que eles trilham o caminho da ética universal.
 
A Teosofia Segundo Jesus
 
Em todas as épocas, pensadores independentes apontaram sempre o rumo da evolução da alma. Desde o século 19, muitos têm questionado o sistema de valores de uma sociedade cujo verdadeiro deus – o centro da vida das pessoas – é o dinheiro.
 
Quando os valores materiais são vistos como o fator decisivo na vida, os valores morais e religiosos constituem uma questão de mera aparência, um disfarce para a ambição pessoal, um instrumento a serviço do egoísmo.
 
Erich Fromm mostrou a necessidade da escolha entre “ter” e “ser”. É evidente que em teosofia, coisas como liderança política,  dinheiro, poder corporativo e posses materiais não têm importância em si mesmas. Elas não  produzem real felicidade ou contentamento.  No Evangelho segundo Mateus, Jesus ensina a teoria do valor adotada em teosofia clássica:
 
“O reino dos céus é semelhante a um tesouro escondido num campo, que um homem achou e escondeu; e, para aproveitar o tesouro, ele vende tudo quanto tem e compra aquele campo. E também o reino dos céus é semelhante ao homem, negociante, que busca boas pérolas; e que, encontrando uma pérola de grande valor, foi, vendeu tudo quanto tinha, e comprou-a.” (Mt., 13:44-46)
 
Aquele mestre judeu, que nunca quis fundar uma igreja e menos ainda uma igreja luxuosa, ensinou também:  
 
“Não tentes reunir tesouros na Terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões dominam e roubam; mas reúne tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consomem, e onde os ladrões não dominam nem roubam. Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração.” (Mt., 6:19-21)
 
O mesmo ensinamento é encontrado no Dhammapada e outras escrituras.
 
Ao deixar de lado o apego a posses visíveis (dinheiro, aplauso, poder), o peregrino pode alcançar o tesouro celestial  e invisível, o tesouro permanente, e também a pérola eterna da sabedoria universal.
 
000
 
Em setembro de 2016, depois de uma análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu formar a Loja Independente de Teosofistas. Duas das prioridades da LIT são tirar lições práticas do passado e construir um futuro saudável.
 
000
 
O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto).
 
 
Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:
 
 
000