Um Poeta Ensina Ética e Sabedoria, em Versos
 
 
António Corrêa D’Oliveira
 
 
 
Uma rua de Lisboa
 
 
 
00000000000000000000000000000000000000000000
 
Nota Editorial de 2020:
 
Os versos a seguir são reproduzidos do livro
Dizêres do Povo”, do poeta português António
 Corrêa D’Oliveira, Livrarias Aillaud & Bertrand,
Paris – Lisboa, Livraria Francisco Alves, RJ, SP, BH,
segunda edição, 146 páginas, sem data (provavelmente
entre 1912 e 1929). A primeira edição é do ano de 1911.
 
A ortografia dos Dizeres foi atualizada. As páginas
estão indicadas entre parênteses ao final de cada conjunto
de versos. António Corrêa D’Oliveira viveu de 1879 a 1960.
 
(Carlos Cardoso Aveline)
 
000000000000000000000000000000000000000000000000000
 
 
 
Nem tudo o que luz é ouro. –
Às vezes o riso é mágoa…
Quantos olhos de tristeza
Parecem fogo e são água! (73)
 
***
 
– Quem tudo quer, tudo perde, –
Palavras que eu não direi:
Achei-te, quis-te, quiseste-me:
Eu tudo quis, tudo achei. (70)
 
***
 
– Muito abarcas, pouco abraças. –
Sem vela que importa um rumo?
Vê que não deixes a chama
E corras atrás do fumo… (74)
 
***
 
– Faze o bem e fecha os olhos:
Fecha-os, não olhes a quem. –
Não vejas o mal dos outros,
Vejam os outros teu bem. (76)
 
***
 
– Chega-te aos bons e serás
Um dos bons. – Depois de o seres,
Chama a ti os maus: e fá-los
Iguais a ti, se puderes. (77)
 
***
 
– Passa a nuvem, fica a chuva. –
Quando se chora por bem,
A dor é nuvem: e as lágrimas
Regam a terra também. (82)
 
***
 
– Palavra fora da boca,
É pedra fora da mão. –
Mas as pedras vão, e ficam;
As palavras vêm, e vão. (25)
 
***
 
– É como o corpo sem alma
A casa sem ter mulher. –
Não tem luz dentro de si,
Dê-lhe o sol como lhe der. (64)
 
***
 
– O sorriso é o sol do Lar. –
Feliz quem no mundo alcança
Acordar à luz de um riso
De mulher ou de criança. (65)
 
***
 
– De alto cai quem alto sobe. –
Vai subindo… Se caíres,
Aprende por onde cais
Para de novo subires. (32)
 
***
 
– O céu é de quem o ganha. –
Toda a ventura se encerra
Em ganhar na terra o céu,
Transformando em céu a terra. (128)
 
***
 
– Água mole em pedra dura
Desgasta-a, de noite e dia. –
Mais pode alegre brandura
Do que dureza sombria. (78)
 
***
 
– O que arde cura. – Talvez.
Mas a doçura também:
Se tens bálsamo, não toques
Com ferro em brasa em ninguém. (79)
 
***
 
– A Ambição nunca descansa, –
Voa, sobe, noite e dia:
Cansam, correndo atrás dela,
O Bem, a Paz, a Alegria. (87)
 
***
 
– Quem se humilha mais se exalta. –
Bendita a água rasteira
Que sobe ao céu, feita em nuvem;
Abre em rosas na roseira. (89)
 
***
 
– Mais vale tarde que nunca. –
Medidas que o tempo tem:
Para o mal, é sempre cedo;
Nunca é tarde para o bem. (90)
 
***
 
– Quem não olha para diante
Atrás fica, – eis o ditado.
Olha o Futuro: mas lembra-te
Do que foste no Passado. (98)
 
***
 
– Homem pobre, com bem pouco
Se alegra, –  diz o rifão:
Não há nada como a fome
Para dar sabor ao pão. (109)
 
***
 
– Devagar, que tenho pressa. –
Espalha o bem no caminho:
Tanto mais a água rega
Quanto vai devagarinho. (120)
 
***
 
– Quem mais perto está do fogo,
Mais se aquece. – Tem cuidado!
Não te chegues tanto ao fogo
Que venhas a ser queimado… (31) [1]
 
***
 
– Os ricos têm parentes. –
Os pobres, coitados! não:
Ainda, um dia, os homens todos
Hão de ser de irmão a irmão. (124) [2]
 
***
 
– Atrás do tempo, outro tempo. –
Atrás do céu, outro céu;
Atrás da vida, outra vida…
Homens! que sois? que sou eu? (131)
 
***
 
– Ouve muito, e fala pouco. –
Aprende com paciência.
Em sabendo que não sabes,
Chegaste à melhor ciência. (22) [3]
 
*** 
 
Não digas, rindo: – Desta água
Não beberei. –  Tem cuidado!
Já a vi beber a alguém
Depois de a ter enlodado… (34)
 
***
 
– O melhor, é inimigo
Do bom. – Que mais desejar?
O sopro que acende a chama
Também a pode apagar…  (33) [4]
 
NOTAS:
 
[1] Tudo em sua justa medida. (CCA)
 
[2] A ideia da fraternidade universal. (CCA)
 
[3] O axioma socrático segundo o qual a melhor sabedoria consiste em saber que pouco ou nada sabemos. (CCA)
 
[4] Deve-se ter realismo, moderação e firmeza. (CCA)
 
000
 
Os versos acima foram publicados nos websites associados dia 29 de janeiro de 2020. Eles fazem parte também de “O Teosofista” em suas edições de setembro de 2017, página seis; outubro de 2017, páginas treze e catorze; e janeiro de 2019, páginas seis a oito.
 
000
 
O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 
 
 
Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   
 
 
000