O Que Buddha, o Novo Testamento
e Helena Blavatsky Dizem a Respeito
 
 
Carlos Cardoso Aveline
 
 
 
 
 
Bom senso é hoje uma virtude relativamente rara. A todo momento encontramos pessoas entusiasmadas e iludidas com poderes psíquicos, clarividência, canalização e todo tipo de manipulação desastrada de energias sutis para fins pessoais.
 
E também é possível encontrar pessoas que buscam ardentemente a vivência da ética, que estão interessadas em aprender a arte de viver corretamente, e buscam com inteligência plantar o bem, antes de colher o bem.
 
Diz a tradição que, muitos milhares de anos atrás, o desgraçado final da civilização de Atlântida esteve associado, precisamente, ao uso egoísta e irresponsável de poderes psíquicos. Estudar a história do movimento teosófico traz grandes lições práticas, e vale a pena citar um exemplo desse princípio geral.
 
Tão logo H. P. Blavatsky morreu, Annie Besant voltou-se contra os ensinamentos originais e deixou de lado a linha de ação de H.P.B. A partir de então, não faltaram desastres éticos. Ao examinar os fatos históricos, o estudante vê que os absurdos e escândalos provocados na primeira metade do século vinte por Annie Besant e Charles Leadbeater estão diretamente associados ao uso e abuso da falsa clarividência.
 
Por outro lado, no seu livro “Ísis Sem Véu”, H. P. Blavatsky ensina o caminho da renúncia e da simplicidade. Ela conta que certo dia o rei Prasenagit – amigo e protetor de Buddha – sugeriu ao Mestre que fizesse milagres, isto é, que usasse seus “poderes psíquicos” ou siddhis
 
Buddha respondeu:
 
“Grande Rei, eu não ensino a lei para meus alunos dizendo a eles: ‘vão, vocês, santos, e diante dos olhos dos brâmanes e chefes de família realizem, através dos seus poderes sobrenaturais, milagres maiores do que qualquer homem é capaz de realizar’. Eu digo a eles, quando lhes ensino a lei: ‘Vivam, vocês, santos, ocultando suas boas obras e mostrando os seus defeitos’.” [1]
 
É interessante lembrar o que o Novo Testamento ensina em sua narrativa simbólica sobre as tentações de Jesus no deserto.
 
Em Mateus, 4: 3, o “tentador” aproxima-se de Jesus e sugere que ele faça algo que é proibido a todo verdadeiro Peregrino: usar poderes psíquicos com o objetivo de obter bem-estar para si mesmo.
 
Diz o “tentador” a Jesus, o Iniciado:
 
“Se és filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães.”
 
Em sua resposta, Jesus ensina que, para um verdadeiro aprendiz, não há nada mais importante que a voz da Consciência presente em seu próprio interior:
 
“Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus.”
 
A lição é clara: o uso de “poderes” para fins pessoais é fonte de grave ilusão e sofrimento.
 
A vida é aprendizagem. Tanto os movimentos esotéricos, coletivamente, como os aprendizes da sabedoria universal, individualmente, devem aprender com os erros do passado para não repeti-los.
 
No século 21, é possível libertar-nos das estruturas burocráticas e ritualistas de poder construídas com base em tais erros e abusos. Cabe a cada um seguir o caminho da motivação altruísta, com independência e com responsabilidade própria. Esse é o caminho da verdadeira felicidade interior, o caminho pelo qual se obtém “o tesouro que está nos céus”. O resto, diz a tradição, “nos será dado por acréscimo”. Mas não nos será dado no momento ou da forma que podemos esperar. Daí a importância de não pensar nos frutos pessoais das nossas boas ações.
 
A justiça descerá sobre nós como o orvalho da manhã, quando o bom carma estiver maduro. Ninguém pode apressar ou retardar o nascimento de um novo dia.
 
O peregrino que possui discernimento trabalha desde as primeiras horas da madrugada, sabendo com certeza que o novo dia virá para iluminar e recompensar, no momento certo, as suas verdadeiras intenções e também os seus atos todos.
 
NOTAS:
 
[1] “Isis Unveiled”, H. P. Blavatsky, Theosophical University Press, Pasadena, California, 1988, edição em dois volumes, ver volume I, p. 600. Na edição brasileira de “Ísis Sem Véu” (Ed. Pensamento), a passagem está na p. 272 do volume II.
 
000
 
Sobre o mistério do despertar individual para a sabedoria do universo, leia a edição luso-brasileira de “Luz no Caminho”, de M. C.
 
 
Com tradução, prólogo e notas de Carlos Cardoso Aveline, a obra tem sete capítulos, 85 páginas, e foi publicada em 2014 por “The Aquarian Theosophist”.
 
000