Há Uma Secreta Ligação Entre a Psicologia
Dos Humanos e os Ciclos Geológicos da Terra
 
 
Damodar K. Mavalankar
 
 
 
Uma mulher ora nos escombros de um templo do Nepal, logo após um terremoto em 2015
 
 
 
Nota Editorial:
 
O  artigo a seguir apareceu pela primeira vez em “The Theosophist”, na Índia, em setembro de 1885, p. 285. Assinado com as iniciais “K.D.M.”, o texto foi seguramente escrito por Damodar K. Mavalankar (D.K.M., ou K.D.M.), que era um colaborador imediato de Helena Blavatsky.  Título original: “Terremotos”.  
 
Em um artigo publicado em 1933, o teosofista norte-americano C. J. Ryan confirma a ideia de que Damodar é o autor.[1]  
 
A nota sobre terremotos foi publicada alguns meses depois que Damodar deixou a Índia, abandonando os aspectos visíveis do movimento teosófico. Em setembro de 1885 Damodar já estava segundo tudo indica vivendo em um dos ashrams dos Mestres de Sabedoria.[2]  Pouco tempo antes dele,  Helena Blavatsky havia deixado a Índia para não mais voltar. Ela viajara para a Europa em março de 1885.
 
(Carlos Cardoso Aveline)
 
A Ética Humana e os Terremotos
 
Damodar. K. Mavalankar
 
As teorias formuladas atualmente pelos cientistas em relação aos terremotos não são satisfatórias.
 
Os hindus têm uma superstição segundo a qual a grande serpente Basuki leva a Terra sobre sua cabeça, e quando a Terra se torna demasiado pesada devido a seus pecados, esta serpente move sua cabeça, provocando terremotos.
 
Se tratarmos de ir ao fundo desta superstição poderemos ter um vislumbre do que os antigos pensavam sobre  a causa dos terremotos.
 
De acordo com a filosofia tântrica da ioga, a Terra é sustentada por uma força chamada  Kundalini shakti. Esta força é a vida da Terra. Ela é simbolicamente representada por uma cobra entrelaçada em três voltas e meia em torno do linga-sharira da Terra.[3] No microcosmo, esta força é um estado de tensão que produz uma corrente, cujo movimento ocorre ao longo de um caminho em espiral.
 
De acordo com o professor Maxwell, a eletricidade é um estado de tensão no éter luminífero, e todos os fenômenos da força magnética são observados quando a eletricidade flui ao longo de uma bobina em espiral. Com base nisso podemos pensar que  o que se chama de magnetismo na ciência moderna é uma forma da Kundalini shakti dos iogues hindus. Os cientistas comprovaram o fato de que esta Terra é um grande ímã. E penso que a perturbação interna no magnetismo terrestre é representada simbolicamente pela superstição citada acima em relação à causa dos terremotos.
 
Os cientistas modernos não veem qualquer conexão entre a causa dos terremotos e acontecimentos no plano mental da Terra. Mas quando eles compreenderem que não há qualquer coisa parecida com casualidade no universo, que cada acontecimento visto como aparente casualidade é o efeito de uma força no plano mental, eles poderão perceber por que os hindus supersticiosos olham para os terremotos como efeitos dos pecados acumulados que os seres humanos cometeram.[4]
 
Compreendida adequadamente, a superstição dos hindus significa o seguinte: que o efeito acumulado dos maus Carmas dos seres humanos na Terra, impressos no fogo astral, é produzir uma mudança na posição do centro de força da vida terrestre. Esse centro de força, a que os hindus dão o nome Padma ou Chakra, é a cabeça de Basuki. Quando para preservar a si mesma a Terra necessita mudar a posição do centro da sua vida ativa, surge uma perturbação no magnetismo interno da Terra e ocorrem terremotos – entre outros fenômenos -, do mesmo modo que acontecem tremores nervosos no corpo de um ser humano.[5]
 
Só um Adepto,  alguém que conhece profundamente todos os departamentos das forças naturais, pode saber até que ponto esta visão dos hindus está correta. Que o leitor busque obter a ajuda de um adepto para esclarecer suas dúvidas; e, tendo dito isso, nada mais tenho a dizer.
 
(K.D.M.)
 
NOTAS:
 
[1] “Scientific Notes and News”, artigo de C. J. Ryan, em “The Theosophical Path”, Outubro 1933, p. 220. (CCA)
 
[2] Veja a Carta  29, primeira série, em “Cartas dos Mestres de Sabedoria” (Ed. Teosófica, Brasília), e os comentários a ela. (CCA)
 
[3] Linga-sharira – o terceiro princípio da consciência, a estrutura astral que acolhe e dá uma forma ao princípio da vitalidade. Veja em nossos websites associados a segunda metade do artigo “Os Sete Princípios da Consciência”.
 
[4] O aumento periódico da cobiça humana causa devastação ambiental e mudanças climáticas. (CCA)
 
[5] Uma mudança no eixo do planeta. (CCA)
 
000
 
O  artigo acima foi publicado dia 22 de agosto de 2018. Ele apareceu pela primeira vez em inglês, na edição de maio de 2016 de  “The Aquarian Theosophist”, pp. 9-10. Mais tarde foi publicado como texto independente e agora está disponível em nossos websites associados: “Human Ethics and Earthquakes”.
 
000
 
 
 
000
 
O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 
 
 
Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:
 
 
000